Você está aqui: Página Inicial > Notícias > Campanha estimula formalização de MEIs

Geral

Campanha estimula formalização de MEIs

Com meta de formalizar um milhão de pessoas por ano, governo lança campanha para estimular adesão de novos microempresários ao MEI

Para o ministro da Secretaria da Micro e Pequena Empresa (SMPE), Guilherme Afif Domingos, a campanha é importante para que os microempreendedores conheçam as vantagens da formalização. “Além de estimular a formalização, a campanha busca destacar a importância da legalização para o ambiente do negócio, para a proteção social e para a melhoria da qualidade de vida do cidadão.”
publicado: 20/02/2014 11h46 última modificação: 23/07/2014 19h00

Brasília, 03/06/2014 - O Governo Federal lançou recentemente uma campanha publicitária com o objetivo de atrair novos microempresários para o programa Microempreendedor Individual (MEI), que já garantiu a formalização de mais de quatro milhões de pessoas no Brasil desde 2009. Para a campanha foram criadas peças que estão sendo veiculadas em rádio, TV, sites e nas páginas das principais revistas e periódicos do País até o dia 15 de junho.

Para o ministro da Secretaria da Micro e Pequena Empresa (SMPE), Guilherme Afif Domingos, a campanha é importante para que os microempreendedores conheçam as vantagens da formalização. “Além de estimular a formalização, a campanha busca destacar a importância da legalização para o ambiente do negócio, para a proteção social e para a melhoria da qualidade de vida do cidadão.”

O Microempreendedor Individual (MEI) é classificado como a pessoa que trabalha por conta própria e que se legaliza como pequeno empresário. Para ser um MEI é necessário faturar no máximo até R$ 60 mil por ano e não ter participação em outra empresa como sócio ou titular. O MEI também pode ter um empregado contratado que receba o salário mínimo ou o piso da categoria.

Quando aderem ao programa, os pequenos empreendedores passam a ter proteção em caso de afastamento por doença, aposentadoria por idade e salário-maternidade, no caso de gestantes e adotantes, após um número mínimo de contribuições. Além disso, a família do microempresário formalizado passa a ter direito a pensão por morte e auxílio-reclusão.

Antes do MEI, para formalizar um pequeno negócio o trabalhador tinha que realizar uma verdadeira peregrinação por uma série de balcões em diversos órgãos públicos da União, dos estados e dos municípios. Além da demora para concluir o processo, ainda havia o elevado custo com tempo, deslocamento, despesas e taxas diversas. O pequeno negócio ainda enfrentava um ônus tributário incompatível com seu porte. 

Para se inscrever como MEI, o microempreendedor interessado pode acessar o Portal do Empreendedor e clicar no campo Formalize-se.

Após o cadastramento do Microempreendedor Individual, o CNPJ e o número de inscrição na Junta Comercial são obtidos imediatamente. Não é necessário encaminhar nenhum documento (e nem sua cópia anexada) à Junta.

O MEI também poderá fazer a sua formalização com a ajuda de empresas de contabilidade que são optantes pelo Simples Nacional. Essas empresas irão realizar a formalização e a primeira declaração anual sem cobrar nada.

Para mais informações sobre o MEI, o interessado deve ligar no serviço de atendimento 0800-570-0800.